segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

ODE AO AZUL NA DESPEDIDA DE 2013


Para encerrar meus azuis de 2013 escolhi este soneto, presente especial de minha amiga Zulmira, escrito por seu avô, figura ilustre de Paraty, dr. Samuel Costa. Ele já era cego quando o escreveu, em 1929. 

            

         
                                 Azul claro do céu, das serranias
                                 Mais distantes, em tardes estivais,
                                 Minha cor preferida, nos meus dias
                                 De claridades que não voltam mais.


                                 Meu cérebro se inunda de harmonias     
                                               

                                 Azuis (tal qual medievais catedrais)
                                 Coando-se na luz de ondulações macias
                         
                                 Através das turquesas dos vitrais.
   


                                 Esmalto todo azul meu pensamento
                                 Para relembrar as ilusões douradas 

                                 Do meu doce passado, de um momento.

          
                                 E embora imerso em sombras,
                                 Já veladas as pupilas à luz do firmamento,
                                 Canto o azul entre as cores relembradas
                                                
                                           
                           Foto Fernando Fernandes
                   



terça-feira, 17 de dezembro de 2013

2014 EM AZUL-ANIL


Este planeta poderoso é Júpiter.
Sobre ele e sua influência nas nossas vidas, um recado auspicioso da astróloga Izabel Christina Chrysostomo

“Todos nós estamos ansiosos pela virada do ano, especialmente deste ano. Recheado de desafios, o ano de 2013, com chave-de-ouro, fecha o cansaço de todo mundo. Deixa atrás de si uma corrente de queixosos que, pela imposição do Senhor do tempo e do trabalho, precisaram arregaçar as mangas, para superar um ano de atrasos e dificuldades. Tivemos que fazer sopa de pedra. Mas há um saldo bom nisso - sobraram as pedras do aprendizado, das definições, dos limites melhor compreendidos e das decisões maduras, intransferíveis e, necessariamente, responsáveis. Saturno é banido. E os filhos engolidos por ele, libertados pelo regente de 2014, JÚPITER, assumem, cada qual, seu reino correspondente. 
Este Senhor dos trovões vai impor então uma nova ordem, tingindo o céu do ano novo com a cor azul-anil. Feliz Anil Novo!”

domingo, 8 de dezembro de 2013

A ANTÁRTIDA É AZUL

AXIS STELLAR: instalação da norte-americana Lita Albuquerque  




                                                 Fotos: Jean de Pomereu

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

AZUL É A COR MAIS QUENTE




Dirigido pelo tunisiano Abdellatif Kechiche, o filme francês, ganhador da Palma de Cannes 2013, com Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux, parece tirado de profundos e reais mergulhos nos sentimentos humanos a que estamos mais acostumados de lidar nesses tempos de século 21, depois de tantos sutiãs queimados, machismos revelados e pós tantas guerras heteros e homos...
Ainda não vi, mas sei que será AZUL demais assistir. Gostei do trailer (VEJA AQUI), que mostra diálogos fortes, cenas idem, numa história provocante e transparente, que parece levar a reflexões em meio a cenas de muita ternura e tesão. Aliás, a fórmula abaixo é a minha mais recente tradução do blog:

                        Ternura e Tesão + Inteligência e Beleza = AZUL 




sexta-feira, 29 de novembro de 2013

O MENINO, O POETA E A PERDIZ


                             
                               “ O menino foi andando na beira do rio
                                e achou uma voz sem boca.
                                A voz era azul.
                                Difícil foi achar a boca que falasse azul.
                                Tinha um índio terena que diz-que falava azul.
                                 Mas ele morava longe. 
                                 Era na beira de um rio que era longe.
                                 Mas o índio só aparecia de tarde.
                                 O menino achou o índio e a boca era bem normal
                                                                    

Só que o índio usava um apito de chamar perdiz
que dava um canto azul.
Era que a perdiz atendia ao chamado
pela cor e não pelo canto.
 A perdiz atendia pelo azul "

Primeiro Poema, Manoel de Barros 
(Caderno de Aprendiz)


terça-feira, 26 de novembro de 2013

PISANDO MANSO SOBRE BERLIM

Viver uma cidade também é olhar onde se pisa. 
Quem sabe bem disso é a inquieta e criativa Ligia Fascioni, que não perde a chance de descobrir grafismos e arte espontânea olhando para o chão. Aqui ela pisa sobre nuances azuis de calçadas de Berlim.   









sexta-feira, 22 de novembro de 2013

ONDE O AZUL É MAIS AZUL...

Nesta casa portuguesa...

Nesta instalação de globos na neve...

No metrô em Paris...

                   Nestas portas em Paraty,...    (foto Fernando Fernandes)  

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

... PORQUE AZUL DESCANSA ...


                                           agradecimentos: Thiago Monteiro. 

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

DOMÉSTICOS TRANSLÚCIDOS




Da exposição na galeria Lehmann Maupin, em Hong Kong, site-specific de obras escultóricas do artista coreano Ho Suh. São réplicas em tamanho natural dos  eletrodomésticos de seu apartamento em Manhattan. Material: poliéster. E o funcionamento interno de cada peça fica à mostra, revelando o esqueleto da técnica e da semi-arquitetura de cada equipamento doméstico. Uma manifestação  física e metafórica. Ótimo! 




                                                                                         Fotos: Taegsu Jeon